O elo entre escola e a comunidade no século XXI

O conceito de escolas que conhecemos foi criado no final do século XVIII e atualmente é um modelo considerado ultrapassado.

Os perfis dos alunos e o mundo em que ele vive mudaram. Diante de tantas realidades complexas, o modo como nos relacionamos com o ambiente escolar nos diz muito como será nosso comportamento social e profissional, pois é na escola que temos contato com o coletivo, logo após as nossas relações familiares.

Novas competências foram sendo incorporadas ao currículo escolar e disciplinas como português, matemática, ciências, entre outras, precisam estar cada vez mais inseridas na realidade e necessidade de grupos distintos.

Hoje o ambiente escolar precisa ser inspirador para pais, alunos e profissionais de educação e criar um vínculo de empatia com seu entorno e criar projetos e discussões que ampliem seu poder de atuação.

Apesar de todo o avanço tecnológico, novas profissões e negócios inovadores, sabemos que muitas habilidades são obtidas em experiências compartilhadas em nossos grupos de convivência. E estimular essas experiências irá possivelmente contribuir para que as escolas se tornem multiplicadoras de boas ideias e práticas efetivas.

Projetos como o Cantos de Leitura implantados em 46 locais do Brasil possibilitam que crianças e jovens tenham muito mais do que acesso a livros. Ele permite que crianças e jovens e suas comunidades tenham contato com livros e por consequência com a leitura, enxerguem os espaços como fonte de conhecimento e de prazer estético e considerem o livro como centro de referência.

Criado com o intuito de ser um espaço de socialização e valorização de grupos que estão em situação de risco social, o projeto possui público diverso, onde ele é pensado para cada lugar que o recebe com objetivos próprios de cada comunidade.

Um dos muitos exemplos do projeto foi a chegada no Centro de Estudos e Ações Solidárias na Comunidade da Maré e na Escola Comunitária do Cantagalo, no Rio de Janeiro em 2018, atendendo mais 100 crianças respectivamente, com o patrocínio da State Grid Brazil Holding S. A. e em também na Cooperativa de Catadores Agentes Ecológicos de Canabrava, na região de Canabrava, em Salvador, Cooperativa Pró – Recife, em Pernambuco e Reciclando pela Vida em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul com o patrocínio da Ball.

Projetos como esse, além de estimular a leitura, possibilita que possíveis deficiência escolares possam ser supridas e revestidas em novas ações que contribuam no desenvolvimento da comunidade e no ambiente de ensino.

E no médio e longo prazo colabora na reflexão sobre o modelo escolar e nos ajuda a entendermos melhor nossa realidade, e isso é um ponto inicial para que problemas como evasão escolar, falta de qualificação e infraestrutura, pouco ou nenhum acervo literário possam ser reduzidos.