Novas habilidades
para um novo
cenário escolar

Para os grupos que se encontram em situação de vulnerabilidade social direitos como educação de qualidade, atividades culturais e cidadania precisam ser conquistados e isso nos faz refletir, apesar das incertezas que o país se encontra atualmente, a importância do papel desempenhado pela iniciativa privada com atividades que viabilizam o acesso a projetos que promovam maiores perspectivas de integração e socialização.

Apesar de todas as adversidades que os alunos vêm encontrando, principalmente os que frequentam escolas públicas e que moram longe dos grandes centros urbanos, professores e educadores estão se dedicando para que essa interrupção no ano letivo não se transforme em um problema ainda maior, devido já as necessidades existentes.

Em regiões em que o ensino fundamental, por exemplo, possui condições fragilizadas de estrutura e de capacitação, é inevitável pensarmos que o futuro dessa geração de alunos pode ser comprometido pela falta de investimentos e oportunidades.

Contextualizando que o acesso tecnológico evidenciou o abismo entre os alunos de instituições públicas e particulares, a construção de um futuro com melhores oportunidades dependerá de ações mais estratégicas que possam colaborar no desenvolvimento e implantação de projetos eficientes que transformem a educação.

Iniciativas como essas são capazes de implantar novas perspectivas para a construção de um futuro onde o processo de aprendizagem possa gerar transformação.

Projetos como o Cantos de Leitura, patrocinados pela Ball, Duratex, RHI Magnesita, Yamana Gold e AES Eletropaulo, com bibliotecas presentes em 45 unidades em todo o país já possibilitou a doação de mais de 19 000 livros somente em 2019. Ou o projeto Leitura no Campo, patrocinados pela Basf, Bayer e Kromberg&Schubert com mais de 8 000 livros doados nesse mesmo período.


Um novo mundo, novas habilidades

Para a educação esse é um momento de reinvenção, isto é, os profissionais ligados a educação precisam entender quais serão as necessidades tanto dos alunos do ensino fundamental quanto do ensino médio, principalmente aqueles que estão no sistema público.

Cada região, escola ou cada professor precisam desenvolver habilidades próprias dentro de suas realidades. Nessa nova etapa será preciso se readequar para atender o mínimo de aprendizado até o final desse ano letivo, novas formas de estímulo à leitura, qual o papel da escola dentro da comunidade, como estreitar a comunicação com os alunos e pais, e quais atividades podem ser aplicadas para a construção do futuro dentro da estrutura pedagógica.

E o retorno progressivo as atividades escolares nos dará um parâmetro das dificuldades vividas nesse momento, mas também nos mostrará quais foram as saídas encontradas para que o mínimo de aprendizado possa ter sido garantido. E além disso, nos proporcionará um novo cenário escolar com novas habilidades capazes de aperfeiçoar ainda mais o potencial do ensino.

Esse período singular ao qual estamos passando pode nos impulsionar a criar uma nova perspectiva de futuro, de como iremos nos relacionar no ambiente escolar, de como iremos planejar e implantar projetos e quais serão as novas métricas que iremos utilizar para saber se as mudanças na educação são positivas.